Close

Growatt lança inversores para aplicações híbridas no Brasil

Date: 2022-04-14

A fabricante Growatt anuncia ao mercado fotovoltaico sua série monofásica MIN 2500-6000TL-XH e sua série trifásica MOD 3-10KTL3-XH para aplicações solares híbridas no Brasil.

“O recurso pronto para bateria desses novos inversores híbridos oferece flexibilidade aos usuários, permitindo que funcionem dentro de um sistema solar conectado à rede normal e, se necessário, sejam posteriormente atualizados para um sistema de armazenamento com um pacote de bateria adicional, economizando assim no desembolso inicial do cliente”, explicou Lisa Zhang, diretora de marketing da empresa. 

Segundo ela, com essas soluções fotovoltaicas preparadas para o futuro, os brasileiros podem se preparar para a imposição de taxas de rede no futuro com flexibilidade para estender suas usinas solares a sistemas de armazenamento de energia a qualquer momento para que consiga um melhor payback.

“A Growatt esta preparada para atender a necessidade do Brasil, entendemos que os sistemas de armazenamento será o futuro, levando em consideração que a tarifação do fio B gradual será em cima daquilo que é injetado na rede, de fato teremos uma nova solução para controlar a exportação”, destacou Talyson Alves, gerente de marketing da Growatt no Brasil.


Características dos inversores

A nova série é configurada com exportação de potência nominal total para a rede mais carga de bateria de potência nominal total simultânea, com uma relação DC/AC tão alta quanto 2. Por exemplo, um inversor MOD 10KTL3-XH pode fornecer 10 kW de potência total mais 10 kW carga total da bateria ao mesmo tempo, dobrando a produtividade do sistema. Com 2 MPPTs, a corrente da string pode atingir até 16A, tornando-o uma combinação perfeita para módulos de alta potência.

Além disso, a Growatt oferece aos clientes seu sistema de bateria ARK XH para um pacote completo de soluções battery ready. A bateria tem um design modular, permitindo fácil instalação e conexão ao inversor, com seu material Lítio-Ferro-fosfato garantindo alta estabilidade e segurança, além de maior durabilidade.

“Testemunhamos um rápido crescimento da demanda por sistemas de armazenamento em todo o mundo, especialmente na Europa, Austrália e Brasil. Tendo como plano de fundo o objetivo do Brasil de atingir o zero carbono até 2050, o país tem um enorme potencial de armazenamento de energia. E em breve traremos essa solução voltada para o futuro para o Brasil”, concluiu Zhang.


Fonte: canalsolar